Eleições 2020: Rodrigo Amorim (PSL), candidato a Prefeito do RJ

Uma reunião nesta sexta-feira com o senador Flávio Bolsonaro na sede do PSL, na Barra da Tijuca, Zona Oeste do Rio, definiu três candidaturas do partido às eleições municipais de 2020. Flávio, presidente do diretório do PSL no estado, acertou o lançamento do deputado estadual Rodrigo Amorim como candidato da legenda à prefeitura do Rio, para concorrer à sucessão de Marcelo Crivella.

O senador, filho mais velho do presidente Jair Bolsonaro, também alinhou as candidaturas dos deputados Alana Passos e Dr. Serginho em Queimados e Cabo Frio, respectivamente.

Amorim, deputado estadual mais votado no Rio nas eleições de 2018, com mais de 140 mil votos, ficou conhecido durante a campanha por um ato em que quebrou uma placa em homenagem à vereadora Marielle Franco, assassinada em março do ano passado. O governador Wilson Witzel (PSC) também participava do ato com Amorim. Witzel e Amorim estiveram em diversos atos de campanha com Flavio Bolsonaro, que apoiou as candidaturas de ambos nas eleições de 2018. Amorim se apresentava à época como “soldado de Flávio Bolsonaro” no Rio.

Em maio, a prefeitura de Mesquita solicitou a instauração de sindicância para apurar a atuação de Amorim como subsecretário de Governo e Planejamento do município, entre 2015 e 2016. No mesmo período, Amorim também estava lotado no gabinete do vereador Jimmy Pereira (PRTB) na Câmara Municipal do Rio. A duplicidade de cargos públicos ocorreu ainda entre 2011 e 2012, quando o deputado esteve empregado em secretarias de Nova Iguaçu e Teresópolis. Amorim negou irregularidades e alegou que os cargos não exigiam dedicação exclusiva.

Apoio de Bolsonaro

Já a paraquedista do Exército Alana Passos foi eleita deputada estadual na esteira do apoio do presidente Jair Bolsonaro, que recomendou voto nela e no subtenente do Exército Hélio Lopes – eleito deputado federal com a maior votação do estado. Alana é a atual secretária-geral do PSL no Rio.

Dr. Serginho, líder do PSL na Assembleia Legislativa do Rio (Alerj), assumiu a interlocução da bancada do partido com o governo de Wilson Witzel.

Embora tenha a maior bancada da Alerj, com 13 deputados, o PSL não conseguiu articular uma candidatura à presidência da Casa e mostrou divisões no início do ano.

Na reeleição de André Ceciliano (PT) à presidência da Alerj, por exemplo, parte dos deputados do PSL – incluindo Alana Passos – votou “não”, enquanto outra ala – com Rodrigo Amorim e Dr. Serginho – se absteve. Após o resultado, o vereador Carlos Bolsonaro (PSC), filho mais ativo do presidente Jair Bolsonaro nas redes sociais, criticou os deputados do PSL que não votaram contra a candidatura do petista.

Fonte: Extra